Comunicando sobre comunicação, por Juliane Gonçalves(*)

        Comunicação nos dias de hoje                                       Com o surgimento e crescimento da internet na última década, boa parte da população tem migrado para as redes, sem contar com as gerações que já crescem nesse meio, a chamada geração Z. Os canais de TV, rádio e jornais impressos, os antigos protagonistas que tinham o privilégio deContinuar lendo “Comunicando sobre comunicação, por Juliane Gonçalves(*)”

Entre a “definição de programa” e a prática dos “acordões” , por Jaime León(*)

No mundo, a pandemia da Covid-19 traz à tona a discussão de quais seriam as políticas nacionais dos Estados para combater o novo problema sanitário, e os remanescentes dilemas sociais e econômicos, intensificados pelo novo vírus, do mundo capitalista. Talvez, no cenário mundial, as maiores expressões sejam a deflagração de uma nova crise do petróleo,Continuar lendo “Entre a “definição de programa” e a prática dos “acordões” , por Jaime León(*)”

Breve ensaio sobre a pandemia do novo coronavírus e o mito da conspiração chinesa, por Pedro Gama (*)

Nos últimos quatro meses, em meio à perene querela política e econômica entre EUA e China e à imensa crise sanitária mundial, o presidente dos Estados Unidos Donald Trump se referiu ao novo coronavírus como um “vírus chinês”. O “novo coronavírus” é a identificação comum do coronavírus da síndrome respiratória aguda grave 2 (SARS-CoV-2, siglaContinuar lendo “Breve ensaio sobre a pandemia do novo coronavírus e o mito da conspiração chinesa, por Pedro Gama (*)”

O direito de resistir, por Gleyse Peiter (*)

  1. As crises No momento existem três crises na sociedade brasileira: econômica, política e sanitária. Nenhuma delas é nova, mas se aprofundaram, ou de certa forma, ficaram mais explícitas e visíveis, a partir do acontecimento da pandemia da Covid-19, doença causada pelo coronavírus SARS-CoV-2. Do ponto de vista dos trabalhadores, as ações de precarizaçãoContinuar lendo “O direito de resistir, por Gleyse Peiter (*)”

A virada religiosa no Brasil, por Wilson Vieira(*)

A Igreja Católica ainda conta hoje com a maioria de adeptos entre a população brasileira, apesar da grande quantidade de “não praticantes” (em torno de 40%), porém, tal participação tem decrescido: em 1980, segundo o estudo do CPS/FGV – Novo Mapa das Religiões (coordenado por Marcelo Néri e publicado em 2011) – havia 88,96% deContinuar lendo “A virada religiosa no Brasil, por Wilson Vieira(*)”

Uma gripezinha pode ser fatal em um corpo com sistema imunológico fragilizado, por Carla Curty(*)

A economia brasileira nos últimos anos vive um momento de reorganização, após um período crescimento econômico (2003-2013), no qual houve redução das desigualdades sociais, através de políticas de combate à pobreza, com forte ênfase à inserção da classe trabalhadora nos mercados de consumo (incluindo por meio de processos de endividamento), processo que trouxe mudanças conjunturaisContinuar lendo “Uma gripezinha pode ser fatal em um corpo com sistema imunológico fragilizado, por Carla Curty(*)”